Diferença entre economia linear e circular

Publicado em
Por Alessandra Costa
Diferença entre economia linear e circular

Entenda quais são os principais pontos que diferenciam a economia linear e circular e porque é tão importante para as empresas buscarem soluções mais sustentáveis.

Já faz um tempo que o planeta vem dando sinais de que é preciso repensar nossos sistemas e modelos de negócios. O crescimento populacional e a escassez dos recursos naturais são dois dos principais indícios de que alternativas sustentáveis são cada vez mais necessárias.

No debate entre modelos econômicos, a economia circular se mostra como uma opção mais alinhada à sustentabilidade, ajudando a preservar a saúde do planeta e o futuro das próximas gerações. Mas qual é a diferença entre economia linear e circular? Nós vamos te contar na sequência.

O que é economia linear?

A economia linear é uma forma de organização da sociedade, baseada na extração crescente de recursos naturais, sendo que os produtos fabricados a partir desses recursos são utilizados até o descarte. De forma prática, ela é baseada no seguinte sistema:

Extração > Produção > Consumo > Eliminação

A economia linear surgiu juntamente com a revolução industrial. Apesar de ser essa a forma que a economia tradicional funciona, ela é considerada inviável. Afinal, no longo prazo ela leva o planeta ao limite.

Para que você possa compreender melhor como ela funciona, imagine a seguinte situação: na economia linear, os clientes tendem a buscar por produtos novos com maior frequência. Isso significa que os produtos antigos são descartados mais rapidamente. Com isso, a qualidade dos produtos tende a cair. Afinal, eles não precisam ter uma vida útil tão longa. Isso também acaba levando os consumidores a comprarem novos itens mais rapidamente, criando assim um ciclo vicioso.

Por que a economia linear é um problema?

Um dos grandes problemas da economia linear é que ela acarreta na criação de resíduos

desde o processo produtivo até o descarte do produto. Ou seja, é gerada uma enorme quantidade de material não utilizado, que acaba sendo queimado ou deixado em depósitos de lixo.

O resultado disso é a sobrecarga nos ecossistemas, prejudicando o fornecimento de alimentos, de materiais de construção e abrigo. Por isso, dentre as principais consequências da economia linear, estão:

  • Insustentabilidade;
  • Escassez e incerteza com relação à disponibilidade de recursos
  • Aumento da poluição;
  • Vulnerabilidade humana e ambiental à poluição;
  • Preços voláteis;
  • Interdependência de produtos;
  • Danos ao ecossitema.

Vale ressaltar que muitas práticas já são feitas com o objetivo de reduzir impactos, como: diminuir a extração de matérias-primas, aumentar a reciclagem e mudar os modelos de negócios. Porém, é preciso mais. E é aí que entra a economia circular.

O que é a economia circular?

A economia circular é um modelo econômico estratégico, voltado para a coordenação dos sistemas de produção industriais. Na economia circular, entende-se que todo o sistema industrial deve ser regenerativo e ter fluxos circulares. Na prática, isso significa que não existe fim para a vida útil de um produto. Ao invés disso, ele ou seus componentes são restaurados.

Isso é possível através de um processo integrado que permite que os elementos da cadeia produtiva sejam reaproveitados na fabricação de novos produtos. É por isso que dizemos que na economia circular, o desenho dos negócios e da linha industrial é alterado. Pois, desde o início, os produtos são pensados para passarem por um ciclo de desmontagem e reutilização.

As vantagens desse modelo econômico vão além da reciclagem e gestão de resíduos. A economia circular também:

  • Reduz a extração recursos;
  • Desenvolve novos produtos, serviços e modelos de negócios viáveis economicamente e ecologicamente;
  • Aumenta a eficiência;
  • Utiliza energia renovável;
  • Substitui produtos químicos nocivos para saúde;
  • Evita a geração de resíduos;
  • Cria programas de retomada com o cliente;
  • Limita os riscos de fornecimento;
  • Reduz a poluição.

Economia linear x economia circular

Crescimento econômico

No que diz respeito ao crescimento econômico, podemos dizer que a grande diferença entre economia linear e circular é que a primeira entende que o desenvolvimento e o recursos andam lado a lado. Enquanto isso, a economia circular mostra que o crescimento econômico não depende do aumento do consumo de recursos.

Sustentabilidade

Esse é um dos temas onde a economia linear e circular mais entram em choque. Afinal, na economia linear, a ideia para melhorar a sustentabilidade é por meio da ecoeficiência. Isso significa aumentar os ganhos econômicos, minimizando o impacto ambiental. Com isso, a sobrecarga do sistema é adiada.

Já na economia circular, a sustentabilidade é melhorada com a ecoefetividade do sistema. Ou seja, ao invés de diminuir o impacto negativo do sistema, a ideia é aumentar o impacto positivo do sistema, com mudanças estruturais e radicais.

Valor do produto

Você sabia que na economia linear, a reutilização segue a linha do downcycling? Isso signicia que o produto é usado para uma finalidade de baixa qualidade, reduzindo o valor e quase inviabilizando um terceiro uso do material. Enquanto isso, na economia circular, a reutilização deve ter a melhor qualidade possível, com a função do material sendo igual (reutilização funcional) ou de valor mais alto (upcycling) do que a função inicial. Consequentemente, o valor é mantido ou até aumentado.

Consumo

Enquanto na economia linear, o principal foco é o consumo, na economia circular, os consumidores se tornam usuários. Isso quer dizer que os produtos de alta duração são compartilhados ou alugados quando possível. E se eles forem vendidos, existem incentivos e acordos que garantem o seu retorno ao sistema. Com isso, é possível garantir a reutilização dos componentes ou do produto como um todo após seu uso primário.

Plástico

Com relação aos insumos, o plástico é um dos que mais passam por uma mudança de mindset entre a economia linear e circular. Afinal, na economia linear, ele pode ser visto como vilão em alguns casos. Mas, na economia circular, as características do plástico fazem dele uma excelente solução de design.

Ou seja, ele não é pensado como um resíduo, mas sim como um material que permite que os seus produtos sejam retrabalhados. Esse é o caso, por exemplo, do polipropileno e do polietileno, plásticos que formam as chapas da Lamiex e que são recicláveis.

Desde a sua fundação, a sustentabilidade faz parte da filosofia da Lamiex. Prova disso são as diversas iniciativas que a empresa realiza em prol do meio ambiente. Passando pelo aproveitamento da água do processo fabril, a Lamiex também realiza ações de logística reversa.

A logística reversa nada mais é do que o conjunto de processos e meios utilizados para reaproveitar ou dar uma destinação correta aos resíduos. Na Lamiex, três ações são realizadas:

  • Relaminação de aparas que vem do cliente para o cliente;
  • Laminação de aparas do processo fabril da Lamiex, para a fabricação de chapas sustentáveis;
  • Destinação correta de resíduos que não podem ser usados no reprocesso, devido à contaminação.

Quer saber um pouco mais sobre o reaproveitamento do plástico feito pela Lamiex? Clique e saiba mais.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Novidades

Mercado de Polímeros: veja o cenário e as expectativas para 2022

Novidades

Reaproveitamento das Chapas: Desperdício Zero

Dicas

Diferença entre PP e PE | Onde são usados?

Dicas

Cartão BNDES: use o seu na Lamiex

Indústria de Chapas de Polipropileno e Polietileno
Diplex Distribuidora de Plásticos Ltda.
(41) 3033-3777 ou (41) 99666-2111
lamiex@lamiex.com.br
Rua Apucarana, 990 - Pinhais
Paraná - CEP 83324-450

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.